Chás Andorinha | D. Catarina de Bragança
694
post-template-default,single,single-post,postid-694,single-format-standard,qode-listing-1.0,qode-social-login-1.0,qode-news-1.0,qode-quick-links-1.0,qode-restaurant-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,columns-4,qode-theme-ver-12.0.1,qode-theme-bridge,bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.2,vc_responsive

D. Catarina de Bragança

Neste dia, precisamente às 5 da tarde e acompanhados de um delicioso Oolong Chás Andorinha, assinalamos a importância da senhora que introduziu na Corte Inglesa o muito Português hábito de beber chá. Com D. Catarina de Bragança, nunca mais Inglaterra foi a mesma, acedendo ao requinte do açúcar, das especiarias, do tabaco, das lacas, dos nobres tecidos, da porcelana, do uso de talheres e, claro, do bom chá.

D. Catarina de Bragança nasceu em 1638 no Paço Ducal de Vila Viçosa e era filha de D. João IV, Rei de Portugal, e sua mulher D. Luísa de Gusmão. Casou-se com o Rei D. Carlos II, junto a quem foi Rainha Consorte de Inglaterra, da Escócia e da Irlanda entre 1662 e 1685. Entre o seu riquíssimo dote de casamento contavam-se os territórios Portugueses de Bombaim e de Tânger, privilégios no comércio com o Brasil e com as Índias Orientais, dinheiro, prata, jóias, açúcar, canela e uma caixa de chá. O bairro de Queens em Nova Iorque tem este nome em sua honra. Pouco depois de enviuvar, D. Catarina volta para Portugal, onde é muito bem recebida. D. Pedro II, Rei de Portugal e seu irmão, confiou-lhe a regência do reino por duas vezes. D. Catarina de Bragança foi ainda mentora do seu sobrinho João, o futuro Rei D. João V de Portugal. Morreu no último dia de 1705 no Palácio da Bemposta, também conhecido por “Paço da Rainha”, onde hoje está a sede da Academia Militar em Lisboa.